16 de Outubro de 2008

 

 

«Estavas, linda Inês, posta em sossego,

 De teus anos colhendo o doce fruito,

 Naquele engano de alma, ledo e cego,

 Que a Fortuna não deixa durar muito,

 Nos saudosos campos do Mondego,

 De teus formosos olhos nunca enxuito,

 Aos montes ensinando e às ervinhas

 O nome que no peito escrito tinhas.»

Est. 120, Canto III de Os Lusíadas.

 

 

 

Sim, é muito comovente mas será verdadeiro?

Como tudo, em História, é difícil afirmá-lo peremptoriamente. D. Pedro é visto muitas vezes como o “rei gago, mau, furioso, cruel e carrasco”, será possível amar um homem assim? Depois de, na juventude, ter lido “O Monte dos Vendavais” e durante toda a minha vida profissional, trabalhando sempre entre mulheres e ouvindo-as, sei que é possível, para uma grande parte delas. Mas, ele? Amaria mesmo a D. Inês, ou toda aquela fúria era mesmo só isso, fúria gratuita e orgulho ferido, luto nunca conseguido, afirmação tenaz de “vontade de poder”?

A beleza dos túmulos, a transladação do cadáver da rainha (é provável que tenha casado com ela secretamente) de Coimbra para Alcobaça, numa procissão lúgubre, que parou em Condeixa, Pombal e Leiria, foi amor ou ostentação?

 

 

 

 

publicado por MaiaCarvalho às 12:58

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Outubro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


blogs SAPO