19 de Janeiro de 2006
Esplanada do Continente. Leiria. 11H30. Fiz uma pausa na leitura do “Equador” que iniciei ontem à noite.
Não sei se o Manuel Sousa Tavares é monárquico ou republicano, se concorda ou não com a entrega gratuita do ultramar feita após 1974. Mas a minha convicção de que a república é filha de um crime mantém-se. Desde a minha infância, quando na 4.ª classe do então Ensino Primário comecei a estudar a História de Portugal, me convenci e continuo convencido, da ilegitimidade da república.
A crueza do duplo homicídio, que dois anos depois descambou na burla da insurreição republicana, deu origem ao regime em que ainda vivemos.
A natureza do crime indicia o nível mental e humano dos beneficiários da república, uma casta de bonzos burgueses, pretensamente letrados, famintos de poder e riqueza eis a cáfila que ainda hoje nos oprime vangloriando-se de nos ter libertado. Mas libertado do quê?
publicado por MaiaCarvalho às 21:04

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

2 seguidores
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


arquivos
2011:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2010:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2009:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2008:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2007:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2006:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


2005:

 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12


blogs SAPO